Gastrite crônica

Divide-se em três categorias: as duas primeiras são baseadas na presença ou não de atrofia e em sua distribuição topográfica; na terceira, incluem-se as formas específicas. Suas possíveis etiologias, quando são conhecidas, devem ser mencionadas. Evidentemente, algumas agentes causadores, como Helicobacter pylori, podem estar envolvidos em mais de um tipo de gastrite. Além disto, o paciente também pode apresentar evidências histopatológicas de tipos associados de gastrite, provavelmente pela exposição de mais de um agente. Um exemplo comum deste tipo de situação é a presença simultânea de gastrite devido à ingestão crônica de AINES ou de outros agentes químicos irritantes, associada à gastrite crônica ativa pelo Helicobacter pylori. Finalmente, é importante enfatizar que, embora seja possível definir sua etiopatogenia na maioria dos indivíduos, em alguns casos, o patologista pode identificar somente os tipos não específicos de gastrite, seus padrões inflamatórios e outras alterações. Nestas condições, é recomendável utilizar o termo inclassificável ou indeterminado.

Formas específicas:

Neste grupo estão as gastrites associadas a infecções por agentes específicos: bacterianos (bacilo da tuberculose, sífilis), virais (herpes vírus, citomegalovírus), fungos (Cândida, histoplasmose, mucomicose, Cryptococcus), parasitas (Cryptosporidium, Giárdia, anisakis, Strongyloides), doenças granulomatosas (doença de Crohn, sífilis, sarcoidose), alergia alimentar (gastrites eosinofílicas), idiopáticas (gastrites linfocíticas), e as causadas por agentes físicos e químicos, como é o caso das gastrites actínica e alcalina de refluxo, respectivamente.

A seguinte tabela apresenta a classificação atualizada da gastrite crônica e das formas específicas, baseada na topografia, morfologia e etiologia:

Na tentativa de uniformizar os laudos histológicos das gastrites, o Sistema Sydney Atualizado, de 1994, estabeleceu uma escala visual análoga, que representa esquematicamente a intensidade de 5 variáveis histológicas analisadas:

- densidade de H. pylori;

- atividade neutrofílica polimorfonuclear;

- inflamação crônica;

- atrofia glandular;

- metaplasia intestinal.

Todas estas variáveis são analisadas quanto à intensidade como normal, leve, moderada e intensa.

Fonte: Hospital das Clínicas FMUSP

© 2014 Endocentro. Todos os direitos reservados // Desenvolvido em Wordpress // CNES: 3351963.